Indiespensáveis

Impensável não falar deles

Análise: Cyber Shadow e a sua identidade marcante

Depois do estrondoso sucesso que foi Shovel Knight, a Yacht Club volta com uma produção que pode não gerar o mesmo impacto do seu primeiro jogo, mas que traz tudo de melhor que a empresa tem.

Além da ajustadíssima jogabilidade, do prazeroso combate e do excelente level design, Cyber Shadow rapidamente me remeteu aos tempos divertidos que passei com Shovel Knight.

Não foi só a qualidade que a Yacht Club coloca em seus jogos que trouxe isso, mas uma identidade própria e uma forma autoral de fazer videogame.


Sobre o jogo

Título: Cyber Shadow

Plataformas: PC, Nintendo Switch, PlayStation 4 e Xbox One (Gamepass)

Data de Lançamento: 26/01/2021

Desenvolvedora/Publicadora: Aarne “MekaSkull” Hunziker / Yacht Club Games

Jogadores: 1

Português: Interface e legendas

Gênero: Ação e Plataforma 2D


Como funciona o jogo

Cyber Shadow é um “Adventure 2D”, com desafios de plataforma e combate. Um game que lembra os antigos Ninja Gaiden e o mais novo The Messenger. Como o próprio nome diz, o protagonista do game é um ninja futurístico e toda a trama e universo são baseados nessa estética.

Não tem muito o que falar sobre o visual de um game da mesma empresa de Shovel Knight. É aquele tipo de gráfico que esbanja variedade de elementos e consegue te fazer identificar cada detalhe mesmo em 8 bits.

A trilha sonora e sons ambiente também não ficam atrás e seguem a mesma excelência que a empresa costuma atingir em seus jogos.

Não há muitos segredos a mais que isso. O objetivo do jogador é recuperar seu clã, e para isso é preciso superar cada fase, melhorar seus atributos e encontrar novos golpes e habilidades pelo caminho.

Cada detalhe importa

Só por entregar uma experiência extremamente equilibrada e agradável, Cyber Shadow já merecia figurar entre os melhores jogos desse começo do ano. Porém, o jogo ainda resgata elementos que fizeram de Shovel Knight um dos melhores plataformers 2D já feitos.

Obviamente, não dá para comparar os dois títulos, até pela diferença de escopo e época de lançamento. Mas, em alguns momentos, Cyber Shadow relembra o que é jogar um game da Yacht Club.

Logo em uma das primeiras fases, você encontra um inimigo que parece mais forte, é possível matá-lo dando vários hits, mas ele também tira muito HP de você. Até que, após encontrar esse tipo de inimigo algumas vezes, você percebe que está matando ele com uma espadada só. Há uma razão pra isso, e quando você entende essa mecânica fica nítido que o desafio foi feito para o jogador se virar e descobrir, sem o game precisar esfregar isso na sua cara.

Em outro momento, você precisa enfrentar uma série de desafios em cima de uma plataforma que te leva aos andares mais altos. É preciso decorar os padrões de movimentos e os perigos que aparecem acima, além de bons reflexos para escapar de armadilhas.

Cyber Shadow gosta de ensinar o jogador a cada morte, cada repetição, cada troca de tela. E a conversa entre game e player é do mais alto nível. Não é uma relação do jogo tentando te prejudicar com desafios impossíveis e nem algo muito fácil em que o jogador é levado pela mão até o final. Esse equilíbrio de desafio e prazer só é possível pelo excelente esqueleto da Yacht Club.

Cyber Shadow funciona em todos os aspectos em que ele se propõe: fluidez na jogabilidade, desafios de plataforma e dificuldade. Claro, assim como Shovel Knight, em alguns momentos você interrompe a jogatina pra esfriar a cabeça e entender aquele desafio que te travou. Porém, o jogo nunca te impede de continuar por uma escolha mal feita ou que não esteja dentro do escopo do game.

Um game autoral

Normalmente, um jogo que tenta ser todas as coisas ao mesmo tempo acaba errando em todas elas. Podemos dizer que Cyber Shadow pula totalmente fora disso. Desafios de plataforma, o combate contra uma grande variedade de inimigos e até a história te cativam até o final, e é incrível como todas essas áreas conversam entre si.

Em determinados momentos do game, o jogador parece ser regido pelo excelente level design, que desafia seus reflexos, sua capacidade para resolver puzzles e sua habilidade com uma espada na mão.

A grande impressão geral que Cyber Shadow passa para o jogador após algumas horas de jogatina é a identidade peculiar do game. Por isso, talvez, as sensações que tive jogando o incrível Shovel Knight lá em 2014 voltaram.

Confesso que havia me afastado dos jogos da Yacht Club depois te tanto tempo sem um título exatamente novo – a empresa lançou diversas atualizações e DLCs para Shovel Knight – mas se eles precisarem de mais 10 anos para lançarem algo como Cyber Shadow, que não possui um escopo gigantesco, mas exala cuidado, carinho e muita originalidade, eu estarei esperando ansiosamente por isso.


Trailer do Jogo