Prévia: Spiritfarer (PC) – Pronto para superar expectativas

Como parte do The Game Festival da Steam, Spiritfarer ficou disponível para ser testado por tempo limitado. Além desse aguardado título, o evento ofereceu demos de outros 13 jogos que estão por vir, entre eles Eastward, CARRION e SkateBIRD.

 

Spiritfarer foi anunciado na E3 de 2019, ganhando destaque na conferência da Microsoft. Desenvolvido e publicado pela Thunder Lotus, responsável por Jotun e Sundered, o game é um “gerenciador agradável sobre a morte”, segundo a sua própria descrição no site oficial. Em Spiritfarer, você controla a simpática Stella, que conta com a parceria de seu gato Daffodil. Além de seu belíssimo chapéu, Stella também possui uma espécie de orb que pode se transformar em diversos objetos, como corda, remo e luvas.

Na demo foi possível experimentar as principais mecânicas do jogo. Logo de cara, as opções de interação com os NPCs nos são apresentadas. É possível falar com os personagens – com diálogos engraçadíssimos – dar itens, verificar o nível de relação e abraçá-los. A maior parte do jogo acontece em seu barco, onde, pelo que tudo indica, você encontra os principais personagens da trama. No barco é possível construir ambientes para plantar e cultivar itens, além de cozinhar esses próprios alimentos.

A impressão é que a parte simulação do jogo é bem simples. As sementes são encontradas ao explorarmos as áreas ou comprando de vendedores, depois é só plantar e regar quando for necessário. Porém, nessa demonstração tivemos acesso apenas a uma parte do game, então essa mecânica pode se aprimorar com o avanço do jogo.

O barco não é o único cenário de Spiritfarer, há outras áreas que precisamos visitar com o objetivo de cumprir quests dos NPCs. Para isso, há um sistema de viagens no jogo, lembrando vagamente The Legend of Zelda Wind Waker. Caso seja necessário ir para uma área desconhecida, é preciso marcar no mapa e aguardar a sua chegada até aquela área (não controlamos o barco igual no Zeldinha). Depois de descoberta, é possível usar a viagem rápida para aquela área.

Em um universo em que você controla uma coveira que realiza os desejos das almas que estão passando da vida para a morte, o que não pode faltar é magia. O orb que Stella carrega também possui outros poderes, ainda desconhecidos. Em determinada altura da demo, passamos por uma tempestade em que o nosso barco é atingido por raios. Ao invés de evitar os trovões ou correr para consertar o barco, o nosso objetivo nesse momento é absorver os raios, ganhando dinheiro do jogo.

Ou seja, o universo de Spiritfarer deve explorar muito de magia e sobrenatural, sem ter compromisso em ser realista.

Mesmo para uma demonstração em fase Alpha, Spiritfarer está com uma jogabilidade fluida e uma linda direção artística. Desde os cenários até os personagens, podemos dizer que a originalidade e o cuidado com detalhes são perceptíveis em todos os momentos.

Algo importante para se atentar em Spiritfarer é se o seu sistema pode sustentar muitas horas de gameplay. Em jogos de simulação, a repetição se torna um problema rapidamente em casos onde a história é rasa. Sipirtfarer possui um universo interessante e uma premissa original, veremos se ele atenderá as expectativas de ser um dos títulos mais aguardados de 2020.