Indiespensáveis

Impensável não falar deles

Últimos Posts

O poder das trilhas sonoras

Análise: Heaven Dust (Switch): Uma cópia de Resident Evil

Análise: Bubble Bobble 4 Friends (Switch) é a volta de um clássico

Análise: Goblin Sword (Switch) – Plataforma? RPG? ou nenhum dos dois?

Análise (Beta): Raccoo Venture (PC) – A real experiência de um plataforma em 3D

Prévia: Spiritfarer (PC) – Pronto para superar expectativas

Análise: Construction Simulator 2 – Console Edition (Switch) – Construir nunca foi tão divertido

Análise: One Person Story (Switch) – Um ensaio sobre o amadurecimento

Firmeza Fest: festival de indies acontece no fim de semana em SP

Análise: Duped (Switch) – Minimalismo

Entrevista: João Brant, desenvolvedor de Dandara (Long Hat House)

Análise: Northgard (Switch) – Um novo sabor de RTS

Os Indies na Brasil Game Show 2019

Análise: Children of Morta (PC) – Um Roguelike acessível

Análise: Untitled Goose Game (Switch) – Quando o jogo vira meme

Análise: The Swords of Ditto: Mormo’s Curse (Switch) – Na alegria ou na tristeza, um casamento de indie com Zelda

Análise: Katana ZERO (Switch) – Equilibrado e bizarro na medida certa

Análise: Timespinner (Xbox One)

Análise: Gato Roboto (Switch) – Que comece a Revolução dos Bichos

Análise: My Friend Pedro (Switch) e a linha tênue entre o êxtase e a morosidade

Análise: Forager (Switch) – A liberdade para se prender em um jogo

Jogos Indies que se destacaram na Gamescom 2019